Danças nas Bordas

O Dança nas Bordas é uma mostra de dança que aglomera artistas, núcleos e cias de diferentes modos de criação, estéticas e linguagens. A Segunda edição do Dança nas Bordas é um encontro de processos, exibições, apresentações e diálogos a cerca das pesquisas e inquietações de artistas que produzem, fomentam e difundem dança na zona sul, de forma plural e diversificada, sobretudo nas bordas da capital de São Paulo.

2ª Edição

Contemplada pela 21ª Edição do Programa de Fomento à Dança da Secretaria Municipal de Cultura, com uma das ações do projeto Manifesto Poético – Ensaios Cartográficos da Cia Diversidança.

costas DB

De 06 a 10 de Dezembro de 2017, o Capão Redondo, zona sul, periferia da capital do Estado de São Paulo, realiza a 2ª Edição do Dança nas Bordas. Contemplado pela 21ª Edição do Programa de Fomento à Dança da Secretaria Municipal de Cultura, com realização da Cia Diversidança e da Cooperativa Paulista de Dança, o Dança nas Bordas é um desdobramento da Mostra de Repertório Coreográfico, realizado pela Cia Diversidança, desde 2010. No entanto, a Mostra de Repertório Coreográfico, tem o intuito de agrupar e apresentar apenas o repertório atual da Cia, no caso o Dança nas Bordas, tem como objetivo reunir os artistas que atualmente fomentam e produzem dança nas periferias da capital da cidade de São Paulo. Desde a V Mostra de Repertório, a Cia Diversidança sentiu a necessidade de ampliar esse espaço, também, para outros artistas e por consequência, na VI edição em 2015, a partir da roda de conversa: “Dança nas Bordas: Por onde caminha a nossa dança?” surge a necessidade de alinhavar momentos para partilhar o nosso fazer artístico, de forma mais plural e diversificada, potencializado a produção e modos de criação e estéticas oriundas das periferias.

Surge então o desejo de realizar o Dança nas Bordas, um encontro de diversos artistas, com roda de conversa, mostra de processo, espetáculo, oficina, exibição de vídeo dança e cortejo, possibilitando o olhar sensível e trazendo à tona a diversidade da produção artística periférica. A 2ª Edição será realizada na Fábrica de Criatividade, atual sede de ensaio da Cia Diversidança, que fica localizada em menos de 100m da estação Capão Redondo da Linha 5 – Lilás do Metrô, todas as atividades são gratuitas, de acordo com a classificação indicativa. Para Rodrigo Cândido, atual Diretor geral, artístico, interprete-pesquisador da Cia Diversidança e idealizador do projeto, o Dança nas Bordas, “é uma mostra de dança que aglomera artistas, núcleos e cias de diferentes modos de criação, estéticas e linguagens”. Acrescenta que “é um encontro de processo, exibições, apresentações e diálogos a cerca das pesquisas e inquietações de artistas que produzem, fomentam e difundem dança na zona sul, de forma plural e diversificada, sobretudo nas bordas” da capital de São Paulo.

Confira a nossa programação e venha experienciar e prestigiar o que a zona sul da cidade de São Paulo, tem de melhor da Dança…

Programação

O Dança nas Bordas inicia no dia 06 de Dezembro às 17h com a Oficina de Danças Populares Brasileiras, ministrada por Priscila Paciência. O Brasil é um país com uma grande diversidade de danças, diversidade de rítmos, diversidade de “maneiras” de se dançar. Partindo da construção da corporalidade do brasileiro e do seu riquíssimo universo simbólico, essa oficina propõe a vivência de duas danças de roda, uma do nordeste e outro do sudeste, seus “trejeitos” e “mungangas”. A proposta é refletir como a miscigenação e a riqueza gestual e rítmica faz de cada dança e de todas elas juntas, uma grande celebração da vida. Na mesma noite, às 19h, recebemos o espetáculo “Yebo” com Gumboot Dance Brasil, dirigido por Rubens, é uma forma de dança popular que foi criada pelos trabalhadores no século XIX nas minas de ouro e de carvão da África do Sul, por conta dos longos anos de colonização Holandesa e Britânica a segregação racial era essencialmente informal, apesar de algumas leis terem sido promulgadas para controlar o estabelecimento e a livre circulação de pessoas nativas. Muitos dos povos negros segregados em tribos eram enviados às minas como mão de obra local. Por conta dos inúmeros povos de diversas línguas, os trabalhadores encontraram um formato de se comunicar sem precisar do idioma e descobriram que com o batuque das botas, canto e gritos era a solução para que pudessem se comunicar. Pra encerrar a noite, recebemos a ANIKAYA Dance Theater com o espetáculo “Forest”, apresentado às 20h, seguido de bate papo com a diretora norte-americana Wendy Jehlen e elenco. A missão da ANIKAYA Dance Theater é romper as fronteiras entres pessoas, culturas e formas de arte, estendendo seu trabalho por todo o mundo, seus processos de criação envolvem dança, música e história, com o intuito de criar trabalhos que buscam utilizar diferentes possibilidades corporais, ao internalizar formas tradicionais e deixar que essas formas se transformem em novas linguagens novas, resultando num trabalho que se resume nas raízes tradicionais, sem se prender a um gênero, lugar ou prática. “Forest” é baseado em pesquisas sobre a mitologia da floresta como um lugar de transformação. A floresta tem sido sempre um espaço importante na mitologia e psique humana. A falta de respeito do homem em relação à natureza gera desequilíbrios, como o aquecimento global e os desastres ambientais, colocando o lugar da floresta em risco. “Forest” nos leva de volta a este espaço sagrado, em constante evolução, lembrando-nos do seu poder e de sua fragilidade. Em Forest, a ANIKAYA Dance Theater leva o público através numa viagem que começa no chão da floresta, com árvores crescendo, rompendo a terra, insetos correndo, e termina acima do dossel da floresta, voando com os pássaros.

No dia 07 de Dezembro, às 17h, o Dança nas Bordas inicia a noite com a Oficina de Danças Urbanas, ministrada por Diego Groove, que será divido em 4 etapas onde será abordado variações de velocidade, acentuações e de alguns fundamentos da dança Locking. Terá apresentação e breve história do Locking e sua importância nas Danças Urbanas. Aquecimento com Danças Sociais que foram popularizadas nas décadas de 60, 70 e 80, com ênfase nas que foram de extrema importância para o surgimento do Locking. Prática de alguns fundamentos, desenvolvendo células coreográficas, além de feedback sobre o que foi desenvolvido. Ás 19h, recebemos o quarteto de artistas negros, formado por Duda Moreno, Flip Couto, Nice Estrela e Rodstyle, que discutem na roda de conversa “Por onde caminha à nossa dança”, trazendo suas questões e indagações que permeiam seus fazeres artísticos, trazendo á tona lutas e conquistas que a danças urbanas vem galgando na cidade, sobretudo nas periferias. Pra finalizar a noite, às 21h30, temos a apresentação do espetáculo “Danças Urbanas – Locking” com Chemical Funk. O espetáculo tem como característica a apresentação de uma dramaturgia clara e linear, repleta de tramas e surpresas, que muitas vezes utiliza-se do humor como ferramenta cênica. Aliando a dança ao teatro em um equilíbrio constante. Divertido e inovador Danças Urbanas – Locking agrada e envolve o espectador, de uma forma dinâmica e descontraída que permite ao público identificar-se com suas coreografias e seus personagens.

No dia 08 de Dezembro de 2017, o Dança nas Bordas inicia às 17h30 com a intervenção “Dança por Correio” do Grupo Zumb.boys. A apresentação será realizada no Pátio de Acesso à Estação Capão Redondo da Linha 5 – Lilás do Metrô. O espetáculo “Dança por Correio” surge da inesperada quebra do cotidiano. De uma maneira poética, os dançarinos vestidos de carteiros levam, não apenas uma mensagem escrita nas cartas, mas uma mensagem embutida na dança e na música sendo construída para aquela pessoa e para aquele ambiente. A intenção é fazer com que os transeuntes dos locais públicos escolham uma carta, e a partir dessa escolha seja determinado o que será dançado. “Dança Por Correio” num curto espaço de tempo, espera mudar o minuto, o dia, e quem sabe até um pensamento de seu público. Entregando de verdade uma “carta” e traduzindo corporalmente através da dança, trazendo sentimentos e sensações, com o intuito de melhorar, transformar e interferir na vida das pessoas que por ali estão. O espetáculo é montado a partir de improvisos e jogos coreográficos pré-estabelecidos, que surgiram das pesquisas que do grupo, buscando sempre um dialogo direto com o público. Ás 19h, temos a exibição de Vídeos Dança, acompanhadas de bate papo com seus criadores/diretores, nessa edição, contamos com a presença da Cia da Vila, da Dentre Nós Cia de Dança e do Raffab Ajá. Iniciamos com “Amor em 4 Atos”, da Cia da Vila, dirigida por Priscila Magalhães inspirado no conto de Honoré de Balzac, Um Amor no Deserto, utilizando também como referência o mito do Narciso, conta a história de amor entre uma pantera e um general do exercito de Bonaparte perdido no deserto. A história permeia diferentes tipos de amor e ressalta os sentimentos, principalmente voltados aos quatro atos; o instinto, narcisista, desejo e entre pares. Seguido pelo “VIDEO ESPIRITUAL II”, quinto vídeo dança de Raffab Ajá e o segundo da série Vídeo Espiritual. A narrativa reflete a pesquisa do artista sobre o tema da espiritualidade. No videodança, o artista faz o movimento com as mãos “Alapadma Chakra”, ensinado por Wendy Jehlen, fundadora da ANIKAYA Dance Theater, trata-se de um mudra da flor de lótus em movimento, conhecido pelo símbolo da pureza. É adequado para relacionar-se com o divino, melhorar os relacionamentos, desenvolver a bondade, o afeto e a comunicação. Finalizando com o “VIDEODANÇA – Cartas à Casa de PÓ” da Dentre Nós Cia de Dança com Rivaldo Ferreira e Rafi Sousa. “Cartas à Casa de PÓ” tem como partida o estudo da personalidade de cada intérprete, trazendo as personagens presentes na peça de teatro “A Casa de Bernarda Alba”, indagando a figura feminina no seu estado mais resistente e mais delicado. O vídeo surge do espetáculo de mesmo nome, que mostra de uma forma sensível esse lugar de sentir-se pertencente a algo ou alguém. O espetáculo busca esse pertencer, essa dependência e fazer parte de algo pra existir. Utilizamos essa metáfora para que possamos dizer que tudo esta abarcado nessa pequena atmosfera, seja ela intrínseca ou extrínseca, refere-se ao antigo e ao que se foi. São relatos e rememoração de quem sou e de quem eu era. Pra finalizar a noite, às 21h30, temos o espetáculo “Cubo Tóxico”, com Cia Fusos. “Cubo Tóxico” tem um olhar sensível para a comunidade, onde há questões ambientais que afetam a população, como a poluição dos rios e córregos. Esse contato próximo desses gases que são liberados como uma cortina de ar poluída, que afeta involuntariamente o sistema respiratório. O espetáculo se aproxima das questões: Ar, Oxigênio e Respiração. A Cia busca novas possibilidades de movimento e expressão tendo como propósito, provocar nos bailarinos situações que possam tira-los da zona de conforto por meio das limitações que um corpo impõe ao outro, revelando diferentes caminhos ainda não explorados. Este espetáculo de dança contemporânea, pretende não só potencializar a arte, mas também contribuir para uma mudança no olhar coletivo das pessoas em relação a essa poluição, e as pessoas são convidadas a refletir a respeito do cenário urbano ao seu redor.

No dia 09 de Dezembro de 2017, começamos às 17h30 com a intervenção “Manifesto para outros Manifestos – Resistir dançando por alguns cantos…” da Cia Diversidança, primeira intervenção do projeto “Ensaios Cartográficos” realizado pela Cia Diversidança, por meio de site specific, mas cuja proposta não somente perfaça pela sua relação com o espaço urbano/território, mas que a vivência estabelecida possa trazer experiência não apenas estética, mas também simbólica para aqueles que transitam pela cidade. A intervenção é norteada pelas perguntas: Por que você dança? Quais as conquistas, lutas e perdas da dança? O que temos contribuído pra dança na cidade? A dança pode mudar o seu mundo? Qual é o papel do artista da dança na sociedade? Além disso, o Manifesto para outros Manifestos – Resistir dançando por alguns cantos… reuniu depoimentos de diversos artistas que expressaram em contexto poético-político-social, convidados para relatarem partes de suas histórias, entrelaçadas com os dos próprios interpretes da Cia Diversidança, seus relatos servem como ponto de instigação para que os transeuntes/espectadores possam compartilhar seus modos de ser, sentir e pensar a dança. O Manifesto para outros Manifestos – Resistir dançando por alguns cantos… é um convite para celebração e reflexão sobre a dança. Ás 19h teremos a Roda de Conversa “A importância de festivais e mostras para a difusão da dança” com Júnior Guimaraes. “Uma roda para discutir difusão, financiamentos, gestão, desenvolvimento e participação.” A roda de conversa pretende apontar que Mostras e Festivais podem ser uma das maiores vitrines da produção da dança brasileira. Elas podem ser a primeira porta de entrada, além de serem os principais canais de difusão de obras de novos artistas brasileiros e a possibilidade de encontro com artistas de outras cidades, estados e países. Vamos discutir os mecanismos de financiamento e gestão para festivais, a construção e informações culturais nesse campo e a interlocução com festivais de outras linguagens e também com a gestão pública e privada. Esta proposta de diálogo surge com a necessidade de pensar o papel principal que os Festivais/ Mostras fazem no desenvolvimento humano, na formação de público e o que eles mobilizam através da experiência prática do produtor. E ás 21h30 a apresentação do espetáculo “Martírio”, com Cia 7 de Dança, dirigida por Rodrigo de Lima. O espetáculo é inspirado nos fatos marcantes da vida de Joana D’arc, dividido em três pequenos atos, o espetáculo tem como intuito mostrar um novo olhar sobre essa história, buscando levar a reflexão do público sobre a injustiça cometida pelo poder religioso e governante da época e da luta contra a injustiça contra as mulheres, mostrando que mesmo depois de anos os erros não podem ser reparados, mas servem de exemplo de uma trajetória vivida e marcada por um povo governado por líderes machistas e preconceituosos, realidade que não mudou com o passar dos tempos, fazendo assim um paralelo com os dias atuais.

No dia 10 de Dezembro de 2017, o Dança nas Bordas começa mais cedo, às 13h, realizamos o Encontro com atuais, ex-Diversidanças, além de convidados. Ás 14h, temos a presença do ex integrante da Cia Diversidança, Rivaldo Ferreira apresentando seu solo “DEsaguO-ME”, da Dentre Nós Cia de Dança. Esta obra foi criada no ano de 2015, onde Rivaldo Ferreira estava passando por seu processo de formação dentro do Ciclo II do Projeto Núcleo Luz, tendo o desejo e o anseio de falar sobre suas inquietações presentes, ausência, sufoco, desapego e desabafo. Em seguida o compartilhamento da sistematização do relato da trajetória de 10 anos “Cia Diversidança: Fragmentos de uma História”, organizado por Rodrigo Cândido, acompanhado de uma grande celebração. Ás 17h, teremos a oficina de Dança de Salão: Samba Rock e suas influências históricas com Leonardo Cordeiro e Denise Capelo, um estudo dinâmico e composto de apresentação do ritmo, histórias e impacto social da dança no cotidiano paulista, aula prática e exercícios unindo os movimentos históricos da dança, demonstração e execução técnica dos temas. Em seguida, recebemos às 19h, o espetáculo “So.corro – Se eu fosse você eu me movia” com o Grupo Xingó, um solo de Érika Moura. Um desabafo. Não individual, mas coletivo. So.corro corre contra o tempo para pensar o tempo, buscando no imaginário dos filmes de ação, referências pra entender nossa ação hoje, pra dançar a cidade, a mulher, o relógio, o incômodo, o desumano, o injusto, o desigual. A super-mulher dos filmes de Hollywood ou das capas das revistas se transfigura em gente e ganha rosto, corpo e história. Um corpo feminino e no plural. Mulheres. So.corro é nordestina, são muitas, veias todas abertas na contramão. So.corro é dança, é convite, é provocação. E para finalizar a 2ª Edição do Dança nas Bordas, temos às 20h30, o cortejo de encerramento com o Grupo Umoja. O Umoja trabalha com diversas linguagens artísticas, com ênfase nas referências às culturas afro-brasileiras e nos seus aspectos híbridos, danças dramáticas populares e musicalidades, cocos, maracatus, sambas rural, de roda, cirandas e afoxés. Ao todo são 13 integrantes, autodidatas, pesquisadores universitários, atores, bailarinos, músicos, figurinistas e produtores, com diversas idades identificados com as  culturas populares e afro-brasileiras. Umoja na língua africana Swahili, falada na costa oeste da África significa UNIDADE.

Serviço

 Quarta-feira, 06 de Dezembro de 2017

17h: Oficina Danças Populares Brasileiras: “Trejeitos e Mungangas”

Com Priscila Paciência

Bacharel e Licenciada em dança. Bailarina e coreógrafa. Iniciou estudos e trabalho como bailarina popular e preparadora corporal no Abaçaí Balé Folclórico de São Paulo com direção de Toninho Macedo. Como bailarina compôs elenco da Cia Teatro Dança Ivaldo Bertazzo, Cia Abieié (Direção Irineu Nogueira) e Cia Antônio Nóbrega de Dança. Pesquisa Técnica Silvestre desde 2011. Atualmente leciona e tem nessa técnica inspiração de seus trabalhos artísticos. Participou do curso da AMESPBEESP, e seus padrinhos são Irineu Nogueirae Adriana Gomes. Trabalhou como coreógrafa da Comissão de Frente da Escola de Samba Cecap de Guarulhos sendo premiada em 2016 como melhor Comissão de Frente pelo Sururu no Samba. É coreógrafa na Escola de Samba Mocidade Alegre. Criadora e diretora da Goma Cia de Dança. Atualmente compõe o corpo docente do Centro de Referência da Dança do Município de São Paulo, ministra aulas de Danças Afro Brasileiras.

Classificação Indicativa: 14 anos – 90 minutos

Não há necessidade de inscrição, basta chegar com 30 minutos de antecedência.

20h: Espetáculo “Yebo”

Com Gumboot Dance Brasil 

FICHA TÉCNICA / Direção Geral: Rubens Oliveira / Direção Musical: Lenna Bahule / Pesquisa e argumento: Rubens Oliveira / Elenco: Danilo Nonato, Diego Henrique, Fernando Ramos, Lenna Bahule, Munique Mendes, Naruna Costa, Pamela Amy, Rafael Oliveira, Samira Marana, Silvana de Jesus e Washington Gabriel / Músicos: Eduardo Marmo e Mauricio Oliveira / Produtor: Kelson Barros

Classificação Indicativa: Livre – 50 minutos

20h30: Espetáculo “Forest”*

Com ANIKAYA Dance Theater (Brasil) 

FICHA TÉCNICA / Direção Geral, Artística e Concepção: Wendy Jehlen / Intérpretes: Átila Muniz, Juliana Nascimento, Raíssa Tomasin, Raquel Flor, Rodrigo Cândido, Wendy Jehlen e Wellington Santana / Intérprete Convidado: Marcel Gbeffa (Benin) / Trilha Sonora: Michael Galasso, Nandlal Nayak, Guilllerme Franco e Dani Dalinian / Iluminação: Pradhuman Nayak, Lynda Reiman e Jayne Murphy / Figurino: Wendy Jehlen / Registro Fotográfico: Fábio Minagawa

Classificação Indicativa: Livre – 90 minutos

*Após a apresentação haverá bate papo com o elenco da Cia

Quinta-feira, 07 de Dezembro de 2017

17h: Oficina Fundamentos da Dança Locking (Danças Urbanas)

Com Diego Groove

Praticante de danças urbanas há 10 anos. A sua formação conta com grandes professores e referências do cenário nacional e internacional, nomes como: Ivo Alcântara, Frank Ejara, Evandro Smile, Nathalia Glitz, Eduardo Sô, Cleiton Alvez, Zildo Faria, Jimmy “Scoo B Doo” (EUA), Skeeter Rabbit Higgins (EUA), Gemini Lockiano (FRA), Bradley Rapier (EUA), Tony Gogo (EUA\JPA) e Alpha Omega Anderson (EUA). Diretor e Intérprete do grupo Double-Lock desde 2010, grupo com objetivo de pesquisar, praticar e desenvolver as Funkstyles. Em 2012 fundou o grupo Locking Practice, grupo de estudo da dança locking direcionado a jovens residentes da zona sul de São Paulo. Integrante do grupo Chemical Funk, formado por estudantes da Dança de Rua no primeiro trimestre de 2006, com o foco de levar a “Dança Urbana” aos palcos e teatros de uma maneira profissional e educativa aos espectadores. Idealizador do evento DANCEMOS (Mostra de Danças Urbanas) evento anual que está na VI Edição, reúne grupos de diferentes regiões de São Paulo. Arte-Educador de dança urbana desde 2010 e desde 2011 ministra workshops para grupos e festivais de dança.

Classificação Indicativa: 14 anos – 90 minutos

Não há necessidade de inscrição, basta chegar com 30 minutos de antecedência.

19h: Roda de Conversa “Por onde caminha à nossa dança”

Classificação Indicativa: Livre – 120 minutos 

Com Duda Moreno

Duda Moreno  é um Jovem Pedagogo e artista que transita por distintos caminhos da arte na cidade de São Paulo. Iniciou sua pesquisa na comunidade Nossa Senhora Aparecida na Zona Leste da capital paulistana com o Contra Mestre de Capoeira de Angola Pedro Peu e nas rodas de Break Dance (Dança de Rua), mas logo estendeu o seu olhar para Dança de Salão, Dança Clássica da Índia, Dança Contemporânea e Danças Brasileiras. É ator formado pela Célia Helena Teatro Escola. É diretor artístico e interprete-criador do Núcleo de Pesquisa e Criação – Os peculiares. É artista educador em ONGs e projetos de expansão cultural pelas comunidades periféricas da cidade de São Paulo. Trabalhou em produções assinadas por Antônio Nóbrega, Ivaldo Bertazzo, Suzana Yamauchi, Célia Govea, Andréa Bassitt, Regina Galdino, Fernando Nitsch, Petronio Nascimento, Zé Posse Neto, Walter Carvalho e outros

Com Flip Couto

Tem sua formação artística construída dentro da cultura Hip Hop e o contato com suas diferentes linguagens artísticas. Artista da dança e produtor cultural. Integra desde 2002 a Cia Discípulos do Ritmo, que leva a cena trabalhos a partir da pesquisa das danças urbanas e desde 2016 é interprete-criador da Cia Sansacroma, de dança negra contemporânea que tem como ponto de partida de criações as poéticas do corpo negro. A partir de discussões sobre espaços de inclusivos, cria a Festa Amem, de cunho político e protagonismo negro e LGBT que apresenta performances de identidade, discutindo temas como: homofobia, racismo, machismo, transfobia e HIV. Em 2016 cria seu primeiro trabalho autoral, a performance “Sangue”, uma obra que, à partir da ambientação dos “bailes black” busca criar uma dança relacional compartilhando vivências, evocando ancestralidades e expondo seu corpo negro, gay e positivo

Com Nice Estrela

Formada em Educação Física e pós graduada em Dança e Consciência Corporal pela FMU. É Professora de Danças Urbanas com especialidade em Dancehall. Começou aprofundar suas pesquisas em Danças Urbanas em 2010, participando também de vídeoclipes de cantores nacionais, shows com cantores nacionais e internacionais. Ministra workshops de Dancehall pelo Brasil, jurada de batalhas de Dancehall e All Styles em São Paulo e região. Ganhou, participou e foi finalista em batalhas de Dancehall, All Styles e Hip Hop em eventos de São Paulo e região. Participou como dançarina, diretora e coreógrafa de várias mostras, espetáculos e campeonatos onde conquistou títulos em conjunto pelas companhias / grupos de dança que já passou. Fez aulas com os principais dançarinos e coreógrafos nacionais e internacionais. Idealizadora, produtora e diretora do evento “O Confronto”. Atualmente é Professora de Danças Urbanas na Fundação Cafu, CEU Cidade Dutra, Professora de Dancehall nos Studios MOV e Anacã (Unidade Pinheiros), Diretora e Coreógrafa do URBAN VIBE CREW

Com Rodstyle

Rodrigo dos Santos, conhecido como Rodstyle Dancer, começou atuar profissionalmente em 2003, no projeto Palas Atenas. Atua em diversas áreas dentro da cultura hip-hop, tanto dançando como apresentando em eventos e lecionando aulas de danças urbanas em ONGs, academias, empresas e Studios. É Diretor e Coreógrafo do grupo Freestyles D.S. É agente cultural, ministrando aulas e eventos no Sacolão das Artes, Fabricas de Cultura Capão Redondo e Jd. São Luís e Fábrica de Criatividade. Em destaque, ministrou workshop (Bolívia/ La Paz/ Studio Feeling) e C.D.U. Foi 1º Lugar (TABOARTE 2010), 2º Lugar (MANISFESTARTE 2010), 2º Lugar (7 to Smoke 2010), 1º Lugar (CDU 2013), 1º Lugar (Manifestarte 2013) e 1º Lugar (Knock out Battle – Argentina 2010)

21h30: Espetáculo “Danças Urbanas – Locking”

Com Chemical Funk

FICHA TÉCNICA / Direção e Coreografia: Ivo Alcântara / Intérpretes Criadores: Diego Henrique “Groove”, Diego Oliveira “Popping D”, Eduardo “Sô”, Evandro “Smile” da Silva, Ivo Alcântara, Leandro Fukuzawa, Nati Glitz, Tadeu “Crazy” Santos, Tiago “Boogaloo Begins”, Zildo Aparecido / Textos e Edição Musical: Frank Ejara / Fotografia: Mari Turco

Classificação Indicativa: Livre – 50 minutos

Sexta-feira, 08 de Dezembro de 2017

17h30: Intervenção “Dança por Correio”*

Com Grupo Zumb.boys

FICHA TÉCNICA / Direção Geral: Márcio Greyk / Intérpretes Criadores: Danilo Nonato, David Xavinho, Eddie Guedes, Guilherme Nobre, Igor Souza e Márcio Greyk / Operador de som: Alex Araújo / Produtor: Kelson Barros [Cazumbá Produções Artísticas]

Classificação Indicativa: Livre – 50 minutos

*Apresentação será realizada no Pátio de Acesso à Estação Capão Redondo da Linha 5 – Lilás do Metrô

19h: Exibição de Vídeos Dança com bate papo

Classificação Indicativa: Livre – 120 minutos

“Amor em 4 Atos” Com Cia da Vila

Priscila Magalhães

Formada em Comunicação Social, em Artes Visuais e Pós-graduada em Arte Integrativa. Atualmente estudando Pedagogia. Arte Educadora em diversas linguagens artísticas desde 2003 em CEU’s, ONGs, entre outros espaços. Idealizadora e Diretora do Festival de Culturas Urbanas Batalha na Vila desde 2009. Diretora da Cia da Vila de Dança desde 2007. Foi integrante da Cia de Expressões Populares Trivolim por oito anos, onde atuou como atriz, ensaiadora e produtora. Atuou como coordenadora de cultura no CEU Vila Rubi durante 4 anos, onde desenvolveu diversos projetos culturais. Em 2014 com a Cia da Vila recebeu o Prêmio Funarte Hip Hop e em 2016 foi premiada em 2º lugar com a direção e edição do videodança “Domingo” na Semana Paulista de Curta Metragem, teve duas obras selecionadas no Festival Itinerante de Dança e Video – D’olhar de Goiânia e três trabalhos selecionados para o Festival BANG – Festival Internacional de Vídeo Arte de Barcelona 2017. O trabalho mais recente que atuou foi na direção e montagem do vídeo-poema “Visibilidade Lésbica: sempre fomos história” de Bárbara Esmênia 

FICHA TÉCNICA / Diretora: Priscila Magalhães / Diretor de Imagem: João Leão / Coreografia: Juliana Kis / Elenco: Julio Françozo, Thamires Núbia, Daru Liberato, Giovanna Bertolucci e Cris Rother / Produção: Frame Forte Films / Roteiro adaptado: Priscila Magalhães e Juliana Kis / Direção de Arte: Frame Forte Films / Direção de Produção: Pauliana Reis / Assistente de Produção: Paula Reis / MKO: Thamires Cabral / Local de produção: Cabo Frio – Rio de Janeiro

Classificação Indicativa: Livre – 13’23’’ – Ano 2015

“VIDEO ESPIRITUAL II”

Com Raffab Ajá

Raffab Ajá é artista multimídia. Iniciou sua trajetória aos 15 anos como técnico do grupo Humbalada. A seguir, coordenou ao lado de Brunno Almeida Maia um teatro dentro de uma escola pública em São Paulo, no bairro do Planalto Paulista. Em 2007, participou da oficina livre da Cia Os Satyros com coordenação de Andressa Cabral, resultando em um trabalho com base de estudo em toda obra de Plínio Marcos. Cursou dramaturgia com Paula Chagas Autran no CCSP. Estudou direção de arte em cinema com Daniela Castilho. Em 2010 atuou na performance “Worlds of Interiors” de João Galante e Ana Borralho, Mostra SESC de Artes (Sesc Pinheiros). Em 2014, iniciou estudo das técnicas de dança “José Limón” com Bárbara Malavoglia e contato-improvisação com Gisele Calazans no Projeto Âmbargris (Funarte/SP). Também estudou contato-improvisação com Ricardo Neves no CRDSP (Centro de Referência da Dança de São Paulo). Participou das oficinas de Wendy Jehlen, resultando nos trabalhos: The Deep e Forest. Foi selecionado em 2015 para a primeira Mostra de Videoarte do CCSP com o vídeo: “Vídeo Ensaio II”. Em 2016, participou do site-specific do artista Francesco Arena na SP-Arte 2016 (Prédio da Bienal). Em Maio de 2016, exibiu 3 dos seus videodanças no Sesc Campinas, sendo eles: Video Ensaio II, Video Espiritual e Video Espiritual II. Em Março de 2007, participou da Mostra Dança nas Bordas com a obra Video Espiritual

FICHA TÉCNICA / Direção e interpretação: Raffab Ajá / Trilha sonora: Pablo Mendoza

Classificação Indicativa: Livre – 9’24’’ – Ano 2015

“VIDEODANÇA – Cartas à Casa de PÓ Com Dentre Nós Cia de Dança

Rivaldo Ferreira

Fez Dança Vocacional com Lina Gomez e diversos cursos livres na Escola de Dança de São Paulo. Foi aprendiz do Projeto Núcleo Luz desde 2012 sob coordenação de Susana Yamauchi e direção de Chris Belluomini. Em 2015 se formou no projeto Núcleo Luz Ciclo II, tendo aulas regulares de Dança Clássica e Contemporânea, também fazendo estagio nos Fabricas de Cultura. Foi intérprete- Criador dos espetáculos “Rito de Passagem” (2012-2013), “Heurói” (2013-2014) e “Okinosmov – Um Ballet nada Russo” (2015), sob direção de Chris Belluomini. Em 2013 integrou a Cia Diversidança sob direção de Rodrigo Cândido, sendo intérprete-criador nos espetáculos “Do Âmago do Meu Ser” (2013), “Sobre Todas as Coisas” (2014) “Entre Fios” (2015), ambos os espetáculos contemplados pelo Programa de Valorização de Iniciativas Culturais – VAI. Fez sua primeira criação “Desabafos” para a Cia Diversidança em 2015, no mesmo ano iniciou seus estudos em Jazz com Francisco Ribeiro, no Studio de Danças Marcia Pee e em Dança Moderna com Claudia de Souza, no Pavilhão D, além da pesquisa do Grupo Clarim com direção de Kelson Barros. Atualmente e Diretor da Dentre Nós Cia de Dança e bailarino do Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias com direção de Luiz Fernando Bongiovanni e do Grupo Indigesto.

Rafi Sousa

Formada pelo Ateliê da Dança – Rio de Janeiro (2009) em  Ballet Clássico, na Budapest Dance Theather – Budapest, Hungria (2012/2013) e Internacional Elit Trainee Program (Programa de desenvolvimento para jovens profissionais – Contemporâneo e Clássico). Atualmente estuda Produção Audiovisual na Faculdade das Américas em São Paulo. Integrou o Grupo Ângelo Madureira e Ana Catarina Vieira – São Paulo (2014/2016), a Tunet Egyuttes na Hungria (2014), a Gangaray Trambulim na Hungria (2013/2014) e na Íntime Cia de Dança (2008/2011). Criou os vídeos dança Urbano – bailarina, coreografia e direção (2011) , Partida – bailarina, coreografia e direção (2015), ambos selecionados para o Festival Internacional Dança em Foco – RJ e Cartas à Casa de Pó para a Dentre Nós Cia de Dança (2016)  – SP, com direção, captura de imagens e edição

FICHA TÉCNICA / Direção Geral e Artística: Rivaldo Ferreira / Imagem e Edição: Rafi Sousa / Direção de Vídeo: Rafi Sousa e Rivaldo Ferreira / Intérpretes – Criadores: Cintia Rocha, Catarina Stevanato, Giovana Santos, Júlia Lima, Jeniffer Mendes e Thainá Souza / Local: Casa de Cultura Vila Guilhermina

Classificação Indicativa: Livre – 5’13’’ – Ano 2016

21h30: Espetáculo Cubo Tóxico”

Com Cia Fusos

FICHA TÉCNICA / Direção: Bruno Feliciano / Intérpretes – Criadores: Bárbara Santos, Bruno Feliciano, Jeniffer Mendes, Thainá Souza / Operação de Som: Giovana Santos / Operação de Luz: Piu Dominó / Preparação Corporal: Ivan Bernardelli

Classificação Indicativa: Livre – 50 minutos

Sábado, 09 de Dezembro de 2017

17h30: Intervenção “Manifesto para outros Manifestos – Resistir dançando por alguns cantos…”

Com Cia Diversidança

FICHA TÉCNICA / Direção Geral e Artística: Rodrigo Cândido / Assistência Artística e Ensaiadora: Daniele Santos / Preparação Corporal: Daniele Santos e Rodrigo Cândido / Produção Executiva: Junior Cecon / Assistente de Produção: Valéria Ribeiro / Preparação Corporal – Convidados: Begson Queiróz, Érika Moura e Luciana Bortoletto / Interpretes-Pesquisadores: Alessandro Saldanha, Cintia Rocha, Felipe Santana, Iliandra Peluso, Márcio Vitorino, Rodrigo Cândido, Rosângela Alves e Vinicius Borges / Trilha Sonora: Vitor Gonçalves / Operador de Som: Rivaldo Ferreira / Figurino e Customização: A Cia / Fotografia: Gabriel Gomes / Assistente de Fotografia: Mariana Rodrigues / Captação e Edição de Vídeo: Leandro Caproni / Assessoria de Imprensa: 7 Fronteiras Comunicação / Arte de Divulgação: Rodrigo Cândido e Willian Santana / Depoimentos: Ana Bottosso, Andrea Soares, Andrey Alves, Cléia Varges, Cleber Vieira, Daniele Santos, Danilo Nonato, Felippe Peneluc, Lucimeire Monteiro, Ivan Bernardelli, Pedro Costa, Priscila Maria Magalhães, Nany Oliveira, Natália Siufi, Rivaldo Ferreira, Roni Diniz, Sandro Borelli, Silvana de Jesus Santos, Valeria Ribeiro, Vaneri Oliveira e Vinicius Francês

Classificação Indicativa: Livre – 60 minutos

19h: Roda de Conversa “A importância de festivais e mostras para a difusão da dança”

Com Júnior Guimaraes

 É administrador e produtor cultural. Graduado em Administração de Empresas pela PUC-SP, participou de cursos de extensão, oficinas e workshops na área de produção e gestão cultural. Atua como produtor de eventos e projetos culturais há 18 anos. Co-idealizador da Semana Criativa de Tiradentes (Tiradentes/MG). É Coordenador de Produção do Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo. Participou, como Juri, da comissão de seleção do Proac-Editais, “Concurso de Apoio a Projetos de Festivais I no Estado de São Paulo” no ano de 2016 e na comissão de seleção do edital Território das Artes/2017. Faz parte da equipe de produção dos projetos culturais TODODOMINGO e “Obras em Construção” – Programa de Residência Artística da Associação Cultural Casa das Caldeiras, em São Paulo, há 8 anos. Foi produtor das Cias de Dança Núcleo Aqui Mesmo, Hells Dance Corporation, Ouvindo Passos Cia de Dança e do Coletivo Picanha After Yoga. Faz parte da equipe de produção do Festival Tiradentes em Cena em Tiradentes/MG desde 2013, da equipe de produção da SP-Arte, do Festival de Fotografia Foto em Pauta e do Ciranda de Filmes. Foi produtor executivo do projeto “Uns 300 Anos de Janela”, integrante da Mostra de Cinema de Tiradentes/MG, em três edições. Fez parte da equipe de produção do Festival Internacional de Cultura e Gastronomia de Tiradentes/MG, durante 4 edições. 

Classificação Indicativa: Livre – 120 minutos

21h30: Espetáculo “Martírio”

Com Cia 7 de Dança

FICHA TÉCNICA / Direção Geral: Rodrigo de Lima e Adriana Peixoto / Coreógrafo: Rodrigo de Lima / Produtora e Designer: Tamiris Lima / Assistência de Direção: Larissa Santos da Silva / Assistência de Coreografia: Isabela Gomes de Lima e Samuel Souza Silva / Intérpretes: Adriana Peixoto, Alanna Beatriz de Paula Alves, Cecilia Amorim da Silva, Deru Jefferson de Jesus Pereira, Ingrid Mariana Carvalho da Silva, Isabela Gomes de Lima, Isabella Helena Chaves Batista, Jainara Monique Silva Souza, Larissa Santos da Silva, Sabrina Santana de Almeida, Samuel Souza Silva e Wesliana dos Santos

Classificação Indicativa: 10 Anos – 50 minutos

Domingo, 10 de Dezembro de 2017

13h: Encontro com atuais, ex-Diversidanças e convidados

   13h: Recepção

   14h: Solo “DEsaguO-ME” de Rivaldo Ferreira com Dentre Nós Cia de Dança

FICHA TÉCNICA / Criação e Interprete: Rivaldo Ferreira / Colaboradores: Victor Almeida, Wellington Al, Chris Belluomini e Núcleo Luz / Fotos: Gasbox Studio

Classificação Indicativa: Livre – 7 minutos

14h10: Compartilhamento da sistematização do relato da trajetória de 10 anos “Cia Diversidança: Fragmentos de uma História”

15h: Celebração

17h: Oficina Dança de Salão: Samba Rock e suas influências históricas

Com Leonardo Cordeiro e Denise Capelo

Leonardo Cordeiro fez parte do coletivo DSR (Coletivo que unindo forças tornou real o sonho do Dia do Samba Rock – 31 de Agosto Lei Nº 16207/2016 inscrita no calendário oficial de São Paulo), um dos Diretores executivos dá On Samba Rock (Coletivo que em forma de rede conecta e expande as ações de coletivos de Samba Rock no Brasil), um dos organizadores do Congresso de Samba Rock nas duas primeiras edições. Premiado com o Oscar dá Periferia em 2016 na categoria Impacto Social (pela ONG ORPAS), YouTuber chegando em 2.000.000 de visualizações nos vídeos oficiais, líder da Cia de Dança Samba Rock Cultural (Vice – Campeões do Dance Games 2016 e Campeões do Dance Games em 2017), idealizador e fundador do Samba Rock Cultural, grupo que atua desde 2012 com ações voltadas a cultura Samba Rock.  É professor do Clube Latino Escola de Dança, Del Corpus Escola de Dança, CEU Casa Blanca, Centro Cultural Monte Azul e Fabricas de Cultura do Capão Redondo.

Denise Capelo é dançarina da Cia Samba Rock Cultural (Vice- campeões em 2016 e Campeões em 2017 do Dance Games, além da  indicação como melhor equipe de 2016 no Troféu Samba Rock), dançarina na Cia Del Corpus Espaço de Dança. Experiências artísticas em diversos eventos como na 9ª Edição do Dança das Estrelas e Festival Multicultural de Arte Social África do Sul e Brasil. É Professora do Clube Latino Escola de Dança e da Del Corpus Espaço de Dança.

Classificação Indicativa: 14 Anos – 90 minutos

Não há necessidade de inscrição, basta chegar com 30 minutos de antecedência.

19h: Espetáculo “So.corro – Se eu fosse você eu me movia”

Com Grupo Xingó

FICHA TÉCNICA / Pesquisadora, Interprete e Operária: Érika Moura / Pesquisadora, Cangaceira e mestre de Obras: Natália Siufi / Pesquisadora, Artesã e Chefe da Cozinha: Meg Siufi / Pesquisadora, Musicista e Pedreira: Aline Reis / Pesquisadora, Carteira e Pintora: Annaline Curado / Pesquisadora, Guerrilheira e Fotógrafa: Clara Figueiredo /  Pesquisador, Engenheiro Designer e Ajudante: Bruno Moura /  Pesquisador, Iluminador e Eletricista: Jean Maciel / Trilha Sonora: Ramiro Murillo / Treinamento: Diogo Granato / Luz: Marisa Bentivegna / Arte Gráfica: Ana Turra / Parceiro: Maurício Paoli / Essa obra é dedicada à Maria do Socorro de Moura.

Classificação Indicativa: Livre – 45 minutos

20h30: Encerramento “Cortejo”

Com Grupo Umoja

FICHA TÉCNICA / Apresentação: Euller Alves / Dançarinos: Renato Almeida e

Débora Marçal / Percussionistas/ Cantores: Rabi, Euller Alves, Allan Bernadino, Alemão, Flavia Rosa, Alania Cerqueira / Músicas: Autoria e de Domínio Público.

Classificação Indicativa: Livre – 60 minutos

Dança nas Bordas

FICHA TÉCNICA / Idealizador e Programador: Rodrigo Cândido / Designer e Arte Gráfica: Aggelos Finikas / Redes Sociais: Rodrigo Cândido / Técnico de Luz: Fernando Ramos / Fotografia, Filmagem e Edição de Vídeo: Ake Filmes / Produção Geral: Alessandro Saldanha, Cintia Rocha, Felipe Santana, Iliandra Peluso, Márcio Vitorino, Rodrigo Cândido, Rosângela Alves e Vinicius Borges / Produção Executiva: Junior Cecon / Assistência de Produção: Valéria Ribeiro / Assessoria de Imprensa: 7 Fronteiras Comunicação / Apoio: Fábrica de Criatividade e Cia do Metropolitano de São Paulo / Realização: Cia Diversidança, Cooperativa Paulista de Dança, Núcleo de Fomento à Dança / Secretaria Municipal de Cultura.

Este projeto foi contemplado pela 21ª Edição do Programa de Municipal de Fomento à Dança

Onde?

 Fábrica de Criatividade

Rua Dr. Luís da Fonseca Galvão, 248

Pq. Maria Helena – São Paulo/SP

Entrada: GRATUITA

100m da Estação Capão Redondo da Linha Lilás do Metrô

Estação Capão Redondo da Linha 5 – Lilás do Metrô

Av. Carlos Caldeira Filho, 4261

Cidade Auxiliadora – São Paulo / SP

Entrada: GRATUITA

Acesse:

https://dancanasbordasblog.wordpress.com/

https://www.facebook.com/dancanasbordas/

Teaser:

Anúncios